Casa d'Aldeia é a casa original, a mais antiga habitação de minha cidade natal Cachoeira do Sul. Habitação, que, igual a cidade, apesar de tantos golpes de vento e borrascas sazonais teima em manter ao menos duas paredes de pé. Casa d'Aldeia é a minha casa. Seja bem vindo a ela!
twitter orkut facebook digg favorites mais

19 de mai de 2010

POLCA LUNDU & OUTROS CARNAVAIS

Folgo em anunciar que já se consegue, com alguma dificuldade (não esperaria doutra forma) baixar arquivos digitalizados da Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro. Temos aqui  a partitura de uma preciosa Polca Lundu. Cuja Folha de rosto traz um catálogo com as demais músicas impressas ofertadas pelo estabelecimento do tal "Raphael". O grande problema é o programa utilizado pela biblioteca naciona. Complicado para aqueles não iniciados nos "escaninhos & chicanas" da world wide web. Tudo bem, com fé e um tacape forte um dia chegamos lá. Desburroratizando nem que seja a cacetadas! Talvez, disse talvez, alguém ao ler isso possa constituir uma opinião algo desfavorável de minha pessoa. Rabugento, insatisfeito, crítico implacável. Pois quero lembrar às "bondosas" de plantão que: concordo com Voltaire. Qualquer um tem o direito de discordar do que penso, conquanto me permita pensar e agir livremente... Bueno! Vamos terminar o serviço completando a Polca Lundu com as folhas restantes:



11 de mai de 2010

Metamorfose




Não seria verdadeiro, mas temerário afirmar que, se comparado ao estilo consagrado pela turma de sambistas do morro do Estácio no Rio de Janeiro, nosso samba regional soa tão distintamente a ponto de representar uma espécie de fóssil musical. Algo que não evoluísse e se adaptasse ao movimento perpétuo dos padrões de estilo de época estaria simplesmente fadado ao desaparecimento. Nosso Samba regional, ainda que tardiamente, também sofreu influências e modificações implantadas por músicos profissionais versados em teoria musical, que, igualmente adeptos ás modas, lundus, marchas, polcas, maxixes e choros, incorporaram a nossa batucada uma maneira nova de execução. Disciplinando, e talvez suavizando sua rudeza original. Entretanto isso não se mostrou o suficiente para descaracterizá-la por completo, e nosso Samba se manteve próximo ao que era, soando próximo á antiga batucada do Quicumbi.
Conquanto os salõe particulares e dos clubes sociais cachoeirenses, por ocasião de seus festejos (fosse ou não carnaval) ofertassem aos convivas um repertório musical baseado em polcas, valsas e operetas, executadas a esmero pelas bandas locais, é curioso especular em que ocasiões, e de sob qual acompanhamento musical as camadas menos favorecidas da sociedade celebravam.
Em 1910 o samba e o choro já eram populares em Cachoeira junto as camadas mais pobres da população. Junto deles o maxixe, o lundu, a marchina e a onipresente modinha.
Em casa de gente humilde, nos terreiros da periferia, o samba, naquela época bastante influenciado pelo batuque do Quicumbi era presença constante. Qualquer ocasião era pretexto para uma roda de samba.
Ainda que os jornais da época deem conta de enorme repressão exercida pela classe dominante, via aparelho policial, sobre essas reuniões quando ocorriam em lugares próximos ao centro da cidade. Certo é que os enfezados "festeiros" não se intimidavam ante a desdita quase certa: irem dormir no xilindró. Conduzidos até lá debaixo de pancada. Assim sendo a fuzarca estava garantida. Fosse onde fosse. Nas ruas centrais de Cachoeira ou nos terrenos ermos e chãos dos arrabaldes como o Jacaré no fim da Rua Félix da Cunha. Na Coxilha do Fogo, então somente um campo de invernada com pastagem para o gado, ou na zona norte da cidade da Cachoeira, nas grotas da antiga Fazenda Tibiriçá. Cujos proprietários escravistas, para se gabarem de generosos talvez, decidiram doar parte de uma área - imprestável para compor pastagem pela quantidade de pedras à flor do solo, e, pelo íngreme terreno, onde seus ex cativos puderam erguer seus mocambos
Lá vibravam até o amanhecer o Tibitibi, o Canguenguera (tambores do Quicumbi), junto às gaitas - cromáticas na maioria das vezes; violões e rabecas. Preparando a volta do Quicumbi á avenida de onde se viu sacado com a chegada do imigrante. Para voltar com outra roupagem. Transfigurado no Samba. Samba de sotaque regional que embalou a periferia em sua retomada das ruas por volta de 1928. Quando o Carnaval assumiu os contornos de verdadeira festa popular em Cachoeira.